Contato

Preencha o formulário abaixo e entraremos em contato em breve:



  

Mídia

Empresa estrangeira com representante no Brasil não precisa pagar caução para agir em juízo

Notícias STF
10 de Setembro de 2018

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) afastou a exigência de caução para que uma sociedade empresarial estrangeira possa litigar no Brasil, após a comprovação de que está devidamente representada no país. 

A MSC Mediterranean Shipping Company S/A ajuizou ação de cobrança contra uma firma brasileira de importação e exportação.

Na primeira instância, o processo foi extinto sem resolução do mérito, porque a autora deixou de efetuar o depósito da caução fixada pelo artigo 835 do Código de Processo Civil de 1973, o qual impõe essa exigência para a empresa estrangeira litigar no Brasil se não dispuser de bens suficientes para suportar o ônus de eventual sucumbência.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a extinção do processo, afirmando que a caução era exigível pois a empresa estrangeira não tinha a devida representação no país.

Ao recorrer ao STJ, a MSC Mediterranean alegou ter nomeado a MSC Mediterranean do Brasil como sua agente geral no país, com poderes inclusive para mover ações judiciais em defesa de seus interesses.

Domiciliada no Brasil

Segundo o relator, ministro Moura Ribeiro, o artigo 12, VIII, do CPC/73 estabelece que a pessoa jurídica estrangeira será representada em juízo pelo gerente, representante ou administrador de sua filial, agência ou sucursal aberta ou instalada no Brasil.

O ministro explicou que foi possível verificar nos autos que a MSC Mediterranean nomeou por meio de procuração a MSC Mediterranean do Brasil como sua agente geral no país, com a existência de contrato de agenciamento firmado entre as duas. De acordo com o relator, a representação processual mencionada no caso não se confunde com a representação comercial, que é modalidade contratual típica.

Dessa forma, não ficou justificada a alegação contida no acórdão recorrido de que a autora é empresa estrangeira sem domicílio e bens, motivo pelo qual a caução como pressuposto da ação seria imprescindível.

“Não existe nenhuma razão que justifique o receio no tocante à eventual responsabilização da demandante pelos ônus sucumbenciais, não se justificando a aplicação do disposto no artigo 835 do CPC/73 (artigo 83 do NCPC), uma vez que, como visto, a MSC Mediterranean deve ser considerada uma sociedade empresarial domiciliada no Brasil e a sua agência representante, a MSC Mediterranean do Brasil, poderá responder diretamente, caso seja vencida na demanda, por eventuais encargos decorrentes de sucumbência”, afirmou.

Moura Ribeiro determinou o retorno dos autos à origem para que prossiga no julgamento da ação de cobrança sem a exigência da caução.  

Leia o acórdão.

Fonte: http://www.stj.jus.br

 

Mais Mídia
  • www.migalhas.com.br
    Migalhas
    9 de Abril de 2019
    CADASTRO POSITIVO

    Publicada lei que torna automática adesão ao cadastro positivo

    Lei complementar 166/19 foi publicada no DOU desta terça-feira, 9.

  • https://www.conjur.com.br
    Mariana Oliveira
    3 de Abril de 2019
    Dívida insignificante

    HC só pode trancar ação penal se defesa provar atipicidade, decide STJ.

  • https://www.conjur.com.br
    Gabriela Coelho
    28 de Março de 2019
    Ritual Afro-brasileiro: Lei estadual que permite o sacrifício de animais em religiões é constitucion

    O plenário do Supremo Tribunal Federal declarou, em sessão desta quinta-feira (28/3), que é constitucional a lei do Rio Grande do Sul que permite o sacrifício de animais em religiões de matriz-africana.

  • https://www.conjur.com.br
    Ana Pompeu
    14 de Março de 2019
    Supremo mantém julgamento de crimes comuns com a Justiça Eleitoral

    "Não há espaço para dúvidas quanto à competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes comuns conexos aos eleitorais", afirma Marco Aurélio

  • www.migalhas.com.br/quentes
    José Eymard Loguercio, Fernanda Caldas Giorgi e Antonio Fernando Megale Lopes
    9 de Março de 2019
    Legislação

    Lei que autoriza bloqueio de bens de investigados por terrorismo é sancionada com veto

    Norma foi publicada em edição extra do DOU.

  • https://www.conjur.com.br
    Ana Pompeu
    20 de Fevereiro de 2019
    Até Congresso legislar

    Por omissão legislativa, Celso de Mello declara LGBTfobia punível como racismo

  • www.migalhas.com.br/quentes
    Migalhas
    13 de Fevereiro de 2019
    Câmara aprova PL sobre bloqueio de bens relacionados ao terrorismo sem ordem judicial

    Texto determina cumprimento imediato de sanções impostas pela ONU e ainda será analisado pelo Senado. 

  • https://www.conjur.com.br
    Fernanda Valente
    9 de Janeiro de 2019
    HC Coletivo

    Reincidência não impede que mãe de criança cumpra domiciliar, diz Lewandowski

  • https://www.conjur.com.br
    Mariana Oliveira
    27 de Novembro de 2018
    Exceções à regra

    Impenhorabilidade do bem de família não se aplica em indenização por crime

  • Folha de São Paulo
    Fernanda Canofre
    19 de Setembro de 2018
    Após 13 anos, júri condena 3 acusados de ataque neonazista no RS

    PORTO ALEGRE: Três homens acusados de associação com a ideologia neonazista foram condenados nesta quarta-feira (19) por tentativa de homicídio triplamente qualificado, em um ataque contra três jovens judeus, ocorrido em 2005, em Porto Alegre. 

Mídia
© Copyright 2019 Aronis Advogados - aronis@aronisadvogados.com.br
Rua Afonso Braz, 579, 12º andar - conj. 125 - 04511-011 - Vila Nova Conceição - São Paulo - SP - Brasil
Acesse nosso perfil no Linkedin
Ftech Soluções em Internet