Contato

Preencha o formulário abaixo e entraremos em contato em breve:



  

Mídia

Recuperação judicial ainda é pouco transparente no Brasil, aponta estudo

Pedro Canário
8 de Junho de 2018

A recuperação judicial de empresas no Brasil ainda parece um tiro no escuro, segundo relatório do Instituto Recupera Brasil (IRB).

A recuperação judicial de empresas no Brasil ainda parece um tiro no escuro, segundo relatório do Instituto Recupera Brasil (IRB). De acordo com o estudo, em 27,7% das recuperações que tramitaram de 2014 para cá, o administrador judicial não apresentou nenhum relatório sobre o desempenho da empresas para os credores. E nos processos em que há relatórios, as informações resultam de “dados extraídos da simples leitura do demonstrativo mensal de resultados”.

O estudo analisou 444 processos de recuperação que tramitaram entre 2014 e 2017. O número é resultado de uma opção metodológica: os autores da pesquisa decidiram começar a análise em 2014 por ser o ano em que o Brasil passou por sua segunda crise econômica desde 2005, quando foi editada a Lei de Recuperação Judicial e Falência. Portanto, diz o IRB, a partir de 2014 é que apareceram os processo de recuperação tocados por profissionais experientes e mais bem preparados. O estudo foi coordenado pelo advogado Luis Claudio Montoro Mendes, presidente do IRB.

Segundo a pesquisa, em 123 casos não houve relatório depois de um mês. Em 11, os dados apareceram a partir do segundo mês. Em 34, demorou mais de um ano até que o administrador desse notícias aos credores. O estudo afirma que houve “casos extremos”, em que o administrador não apresentou o relatório nem mesmo depois de requisição judicial e acabou destituído do processo.

A pesquisa detectou 495 empresas em 321 processos de recuperação judicial tocados por 136 administradores.

Papeis em branco
Mesmo nos casos em que os relatórios são apresentados, não se pode dizer que os credores estão informados. Segundo o estudo, foram apresentados 1.180 relatórios. Mas 79% dos que apresentam algum tipo de informação operacional das empresas optam por verificar apenas se houve lucro ou prejuízo líquido no período. Mesmo assim, só 12% dos relatórios têm informações do tipo.

O Ebitda (lucro antes de juros, taxas, depreciação e amortização) é usado por 8% dos administradores que apresentam dados operacionais. Ou seja: só 38 das quase 500 empresas analisadas pelo estudo tiveram em seus relatórios alguma informação sobre o Ebitda, “um bom indicador da margem operacional de uma empresa e é amplamente utilizado em análises financeiras quanto à capacidade de geração de caixa das empresas”, segundo o IRB.

A pesquisa também mostra preocupação com a falta de acompanhamento do desempenho das empresas por parte dos administradores. O IRB aponta que, do total de relatórios apontados, 21% não informam se a companhia está ou não se recuperando. Outros 21% informam sobre lucros.

Portanto, 57% dos relatórios analisados pelo estudo informam aos credores que as empresas estão tendo prejuízo. A situação, diz o estudo, pode “colocar em risco projetos de soerguimento, se não houver uma mudança em perspectivas ou paradigmas, devendo ser um elemento obrigatoriamente levado ao conhecimento dos credores para que os mesmos possam avaliar se devem ou não apoiar a proposta de pagamento”.

Problemas do mercado
Na conclusão do estudo, o IRB afirma que “são inegáveis” os esforços de criar cursos de capacitação e aperfeiçoamento de administradores judiciais. Mas as iniciativas não resultaram em recuperações melhores ou em processos mais transparentes. O que se pode dizer, então, segundo o levantamento, é que a inexperiência ainda dá o tom do desenvolvimento do mercado.

O IRB sugere aos juízes que cuidam de recuperações judiciais que levem em consideração, além da confiança que têm nos administradores que nomeiam, a experiência em “casos pregressos”. A intenção, conclui o estudo, é criar um “histórico de atuação” que garanta a distribuição de grandes recuperações para profissionais mais experientes.

Clique aqui para ler o estudo

Fonte: www.conjur.com.br

 

Mais Mídia
  • www.migalhas.com.br
    Migalhas
    9 de Abril de 2019
    CADASTRO POSITIVO

    Publicada lei que torna automática adesão ao cadastro positivo

    Lei complementar 166/19 foi publicada no DOU desta terça-feira, 9.

  • https://www.conjur.com.br
    Mariana Oliveira
    3 de Abril de 2019
    Dívida insignificante

    HC só pode trancar ação penal se defesa provar atipicidade, decide STJ.

  • https://www.conjur.com.br
    Gabriela Coelho
    28 de Março de 2019
    Ritual Afro-brasileiro: Lei estadual que permite o sacrifício de animais em religiões é constitucion

    O plenário do Supremo Tribunal Federal declarou, em sessão desta quinta-feira (28/3), que é constitucional a lei do Rio Grande do Sul que permite o sacrifício de animais em religiões de matriz-africana.

  • https://www.conjur.com.br
    Ana Pompeu
    14 de Março de 2019
    Supremo mantém julgamento de crimes comuns com a Justiça Eleitoral

    "Não há espaço para dúvidas quanto à competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes comuns conexos aos eleitorais", afirma Marco Aurélio

  • www.migalhas.com.br/quentes
    José Eymard Loguercio, Fernanda Caldas Giorgi e Antonio Fernando Megale Lopes
    9 de Março de 2019
    Legislação

    Lei que autoriza bloqueio de bens de investigados por terrorismo é sancionada com veto

    Norma foi publicada em edição extra do DOU.

  • https://www.conjur.com.br
    Ana Pompeu
    20 de Fevereiro de 2019
    Até Congresso legislar

    Por omissão legislativa, Celso de Mello declara LGBTfobia punível como racismo

  • www.migalhas.com.br/quentes
    Migalhas
    13 de Fevereiro de 2019
    Câmara aprova PL sobre bloqueio de bens relacionados ao terrorismo sem ordem judicial

    Texto determina cumprimento imediato de sanções impostas pela ONU e ainda será analisado pelo Senado. 

  • https://www.conjur.com.br
    Fernanda Valente
    9 de Janeiro de 2019
    HC Coletivo

    Reincidência não impede que mãe de criança cumpra domiciliar, diz Lewandowski

  • https://www.conjur.com.br
    Mariana Oliveira
    27 de Novembro de 2018
    Exceções à regra

    Impenhorabilidade do bem de família não se aplica em indenização por crime

  • Folha de São Paulo
    Fernanda Canofre
    19 de Setembro de 2018
    Após 13 anos, júri condena 3 acusados de ataque neonazista no RS

    PORTO ALEGRE: Três homens acusados de associação com a ideologia neonazista foram condenados nesta quarta-feira (19) por tentativa de homicídio triplamente qualificado, em um ataque contra três jovens judeus, ocorrido em 2005, em Porto Alegre. 

Mídia
© Copyright 2019 Aronis Advogados - aronis@aronisadvogados.com.br
Rua Afonso Braz, 579, 12º andar - conj. 125 - 04511-011 - Vila Nova Conceição - São Paulo - SP - Brasil
Acesse nosso perfil no Linkedin
Ftech Soluções em Internet